More Mônica Belli »"/>More Mônica Belli »" /> Mônica Belli - Revista Ritmo Melodia
Uma Revista criada em 2001 pelo jornalista, músico e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.

Mônica Belli

Compartilhe conhecimento

A cantora Mônica Belli se superou mais uma vez. Sua nova gravação Av. Paulista Agitada (Nilson Evangelista), com o arranjo de Edielson Aureliano.

Mônica optou pela linguagem do jazz tradicional, sem nunca ter cantado esse estilo musical. A música é uma declaração de amor a avenida mais famosa de São Paulo e do país, com um conteúdo mais solto, num tom realista de uma personagem que vive os problemas cotidianos da avenida.

A música foi gravada nos Estúdios Guidon SP, teve a participação dos músicos: Sidney Brito ao piano, Edmilson Aureliano tocando strings, baixo, bateria e metais, Edielson Aureliano na guitarra e nos arranjos. O lançamento foi dia 11 de agosto de 2023 em todas as plataformas digitais e com o lançamento do vídeo clipe.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Mônica Belli para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 04.09.2023:

01) RM: Qual sua data de nascimento e sua cidade natal?

Mônica Belli: Nasci no dia 18 de junho de 1972 com muito orgulho em São Caetano do Sul no ABC Paulista. Registrado como Mônica Aparecida Belizário e filha de Severiano Belizário da Silva e Maria Helena Belizário.

02) RM: Fale de seu primeiro contato com a música.

Mônica Belli: Desde muito pequena com dois anos de idade, eu já cantarolava, ouvindo Ney Matogrosso na banda Secos & Molhados. Cresci ouvindo o Movimento da Jovem Guarda. O sonho de meu pai já falecido era ter uma filha cantora. Creio que agora esse seu sonho está se realizando.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Mônica Belli: Fora da área musical tenho formação em Serviço Social e Pedagogia. Na área musical apesar de ter feito cursos técnicos de canto popular e técnica vocal me considero autodidata.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Mônica Belli: No passado são as cantoras da era áurea do rádio: Ângela Maria, Dolores Duran, Dalva de Oliveira. Também gosto muito da Gal Costa, Elis Regina, Rita Lee. No presente Marisa Monte, Paula Santisteban, Vania Bastos. Creio que todas elas tiveram e tem sua importância em suas respectivas épocas.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Mônica Belli: Comecei cantando back vocal para diversos artistas, o tenor Rinaldo, Ricão do Grupo Memories, dentre outros, além de cantar em corais que me deram experiência e uma base sólida no canto.

Na verdade, tudo começou em 2019 quando eu fazia back vocal num show. Nesse dia estava na plateia o cineasta e produtor musical Nilson Evangelista. Ao término do show, ele me procurou e me fez uma proposta para cantar duas músicas da trilha sonora de um filme que ele estava produzindo, Perdido Nas Perdizes. Eram músicas temas de dois personagens do filme. Tremi na base, era muita responsabilidade, mas encarei o desafio. Depois disso ele se tornou meu produtor musical, meu cineasta e compositor das músicas que gravo. Tenho um “personal songwriter” chic né? (risos).

06) RM: Quantos CD’S lançados?

Mônica Belli: Com as rápidas mudanças da tecnologia na área musical, onde os LPs e CDs praticamente foram extintos, dando lugar as plataformas digitais, só gravei singles num total de três: ANJO AZUL, CAMINHO SEM NORTE e minha mais recente gravação AV. PAULISTA AGITADA que nos remete aos tempos áureos de Billie Holiday, Sara Vaughan dentre outras grandes divas do jazz, que foi lançado no Spotify em 11.08.2023.

Para todas estas canções foram produzidos clips pela Nilson Evangelista Cinematográfica, que foram publicados em meu canal no YouTube. Minhas duas primeiras gravações ANJO AZUL e CAMINHO SEM NORTE atingiram a marca de 107.000 visualizações.

Além disso gravei com o concertista Silvio Santisteban: NUNCA de Lupicínio Rodrigues, Fim DE SEMANA EM GUARUJÁ de Mário Albanese e Ciro Pereira e ENSINANDO O JEQUIBAU de Silvio Santisteban. Todas estas gravações também foram produzidas os respectivos clips facilmente localizados no meu canal do YouTube.

Por intermédio de meu produtor, tive a honra de conhecer pessoalmente o maestro e compositor Mário Albanese. Passei algumas horas com ele em sua residência. Ele tocou suas músicas ao piano especialmente pra mim. As imagens desse encontro podem ser vistas no meu canal no Youtube. Após ele ouvir minha gravação da música ANJO AZUL, recebi seu “selo” de aprovação e isso me deixou nas nuvens.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Mônica Belli: Considero-me uma intérprete de música romântica de MPB, que as vezes ousa cantar em outros estilos musicais como o Jazz por exemplo. A música “Av. Paulista Agitada” foi um grande desafio. Aí bate aquela ansiedade pra saber qual será a reação e aceitação do público. Na pesquisa feita nas ruas por minha equipe técnica, com pessoas totalmente desconhecidas e que não me conheciam, tive a grata surpresa de uma excelente aceitação até agora. Ufa! (risos).

08) RM: Você estudou técnica vocal?   

Mônica Belli: Sim. Estudei canto com Elisa Alves, Rafael Barreiros, Dalton Simi.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?  

Mônica Belli: São de vital importância. A voz é um instrumento delicado e deve ser utilizado corretamente. Aquecimento vocal antes de qualquer gravação ou espetáculo é essencial para uma boa performance.

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

Mônica Belli: São muitas cada uma dentro de seu estilo: Gal Costa, Elis Regina, Rita Lee.  Paula Santisteban foi uma grande referência quando comecei a gravar em estúdio, além de Marisa Monte. 

11) RM: Como é seu processo de compor?

Mônica Belli: Não sou compositora e isso me causa certa frustração. Quem sabe um dia.

12) RM: Fale de sua relação pessoal e profissional com Nilson Evangelista.

Mônica Belli: Até agora, todas as minhas músicas gravadas na carreira solo foram compostas por Nilson Evangelista. Já recebi alguns comentários no YouTube que essa parceria deu certo.

Ele compõe pra mim a exemplo de um estilista de moda que faz uma roupa sob medida (risos). Pela convivência profissional ele conhece meu timbre, minha extensão vocal, minha maneira de interpretar e do tipo de letra que me emociona. Ele sempre diz que se a música não nos sensibilizar também não sensibilizará o público. Essa simbiose ajuda muito no que confere a minha performance e o produto final que o público vai ouvir.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Mônica Belli: Pra ser bem sincera há mais contras do que prós. É matar não um leão por dia, mas toda uma alcateia. A vantagem é que você mesmo direciona sua carreira e grava aquilo que você deseja, sem interferência da gravadora, cujo objetivo é unicamente o lucro, deixando muitas vezes a parte artística de lado. Muitas gravadoras fecharam suas portas nos últimos anos.

Todas as decisões e problemas passaram a ser do próprio artista ou de um empresário se ele tiver um. Minha equipe técnica é pequena, mesmo assim estamos indo muitíssimo bem, mas é um trabalho insano e constante. Nós vivemos, respiramos, comemos e bebemos música 24 horas por dia, sem direito a férias, décimo terceiro, etc (risos). Essa é a pura realidade. Mas como fazemos o que gostamos isso passa a ser pura diversão.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Mônica Belli: Creio que o planejamento é a palavra chave para tudo o que se faz na vida e em qualquer atividade não só no setor artístico. Quando estamos gravando uma música, já estamos pensando lá frente qual será a próxima a ser gravada. Minha intenção é montar um show ao vivo para correr todo o país. É um sonho gigante, mas como tudo na vida é necessário dar um primeiro passo.

Quando pensamos grande o universo sempre responde e conspira a favor. Acredito muito nisso. Estou construindo o alicerce do show, o repertório inédito. Estamos indo bem. Penso que se algo está dando muito trabalho é porque estou no caminho certo. O único lugar em que SUCESSO vem antes do TRABALHO é no dicionário.

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira musical?

Mônica Belli: Creio que os contatos sejam primordiais e nesse sentido sou abençoada, por que meu produtor sempre tira uma às da manga quando surge determinada situação para resolver. Utilizamos as redes sociais diariamente, respondo cada comentário das pessoas que acompanham minha carreira. Isso faz uma diferença enorme.

Posso citar uma situação inusitada. Compro meus figurinos numa determinada loja. Em uma conversa com a vendedora, fiz meu” marketing”, disse que era cantora e passei os links de minhas músicas e clips pra ela. Hoje a loja toca em seu sistema de som todas as minhas músicas. Isso não é incrível? (risos).

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira musical?

Mônica Belli: As redes sociais nos dias de hoje passaram a ser a vitrine para que o artista seja visto pelo seu público. Como tudo nesta vida existem prós e contras. A parte boa é que facilita muito para que muitas pessoas vejam seu trabalho e passem a te conhecer. Penso que a parte complicada é a busca incessante por likes. Isso é bem desgastante e se tornou uma verdadeira neurose.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Mônica Belli: Os home estúdios se tornaram bastante populares principalmente para aqueles artistas que não tinham acesso as gravadoras uma vez que a concorrência é imensa. O grande problema que vejo em termos de qualidade sonora são os processos de mixagem e masterização que muitas vezes deixam a desejar nos home estúdios.

Meu produtor tem contatos estreitos com o proprietário dos Estúdios Guidon aqui em São Paulo. Ele grava muito lá com o concertista Silvio Santisteban do qual ele também é o produtor há muitos anos. Isso me abriu portas que nunca imaginei. Como disse, “Ele sempre tira um ás da manga quando é preciso solucionar algum problema”.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Mônica Belli: Penso que a escolha do repertório é efetivamente o pulo do gato. Busco músicas que tenham letras com conteúdo e mensagens que possam elevar o ser humano a um patamar mais alto de consciência. O público percebe a diferença pode acreditar no que eu digo.

19) RM: Como você analisa o cenário da Música Popular Brasileira. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais artistas permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Mônica Belli: Pergunta capciosa. Sinto que a coisa toda foi nivelada por baixo. Recebi comentários no YouTube sobre as letras das minhas músicas e percebi que as pessoas apreciam muito os conteúdos. Isso me deixa feliz.

A música CAMINHO SEM NORTE que gravei, recebi um comentário de uma senhora que me desmontou. É daqueles comentários pra se emoldurar e colocar num quadro. Por questões de ética e respeito profissional, prefiro não citar nomes de artistas com obras consistentes e quais os que regrediram.

20) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado, etc)?

Mônica Belli: Em espetáculos ao vivo Deus sabe que tudo pode acontecer. Posso contar de uma apresentação que fiz backing vocal para um cantor. Tive que levar o microfone, cabo de som, pedestal e pagar um UBER para chegar no local do show. Não havia retorno no palco e a condição técnica era bastante precária.

21) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Mônica Belli: O que me deixa feliz é a realização do sonho de me tornar uma cantora profissional reconhecida. O que me deixa triste são pessoas mal-intencionadas, que surgem no caminho com aquelas propostas mirabolantes, que sei que jamais se tornarão realidade. Sabe aquele velho ditado? “Quando a esmola é muita o santo desconfia”.

22) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Mônica Belli: Existe algo que vem desde o nascimento que é uma facilidade para determinados assuntos como a música. É um talento natural. Mas de nada adianta o talento se não houver esforço e muita prática.

No dicionário define-se o Dom como algo que foi objeto de doação; dádiva concedida pela natureza; benção, graça… Então ao falar de MÚSICA sobre os musicistas e grandes artistas. Ninguém “acorda” simplesmente tocando um instrumento. A facilidade ou predisposição existe, mas é fruto de treino, dedicação e bons professores.

23) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Mônica Belli: O melhor conceito sobre improvisação musical que conheço é a escola do Jazz.

24) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Mônica Belli: Improvisação musical é aquela realizada por músicos criadores e não músicos de execução. Há uma grande diferença entre os dois.

25) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Mônica Belli: Improvisar não significa tocar notas a esmo. Existem regras a serem seguidas. Penso que só os improvisadores experientes sabem quebrar as regras de maneira inteligente. Vejo positivamente o improviso baseado nos acordes da harmonia, outros preferem o improviso em cima da linha melódica.

26) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Mônica Belli: Harmonia é uma combinação de acordes e sons. Fica difícil imaginar uma música sem harmonia. Métodos existem vários, porém conheço muitos instrumentistas autodidatas.

27) RM:  Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Mônica Belli: Jamais minhas músicas tocarão nas rádios sem pagar o jabá. As rádios como qualquer outra atividade comercial são empresas que precisam de faturamento para continuar no mercado. Elas sobrevivem de propagandas e de outras receitas que possam bancar e manter suas estruturas funcionando. A música especificamente, embora reputada de arte, é também um “produto”. Hoje, todo mundo sabe que uma carreira artística tem custos financeiros, sejam pequenos ou grandes.

28) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Mônica Belli: Se esse é seu sonho, corra atrás com garra, determinação e vontade. Depois é 99% de transpiração e 1% de talento.

29)  Festival de Música revela novos talentos?

Mônica Belli: Nem sempre os Festivais de Música revelam novos talentos.

30) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Mônica Belli: Triste de se ver. Tudo é direcionado para o fator comercial deixando a parte artística relegada a último plano.

31) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Mônica Belli: Importante e muito válido esses espaços citados. Muitas casas de espetáculos fecharam suas portas o que diminuiu os espaços de trabalho para artistas de uma maneira geral.

32) RM: Quais os seus projetos futuros?

Mônica Belli: Apenas continuar cantando, fazer shows e gravar novas composições que façam a diferença nas vidas das pessoas. Creio ser essa a missão do artista na Terra.

33) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Mônica Belli: (11) 98752 – 6595 | [email protected]

| https://www.instagram.com/belimonica | https://web.facebook.com/monica.beli.3 

| meu produtor Nilson Evangelista (11) 93337 – 2276 | [email protected] 

Canal: https://www.youtube.com/@monicabelli1841

AVENIDA PAULISTA AGITADA (Nilson Evangelista) – Mônica Belli – Clipe: https://www.youtube.com/watch?v=c_7esurSD7U

Anjo Azul (Nilson Evangelista) – Mônica Belli: https://www.youtube.com/watch?v=tP7w0YL2OGQ

Caminho Sem Norte (Nilson Evangelista) – Mônica Belli – clipe: https://www.youtube.com/watch?v=Q5oPNu8y7pY

NUNCA (Lupicínio Rodrigues) – Mônica Belli: https://www.youtube.com/watch?v=oUE5ZkSZfzs


Compartilhe conhecimento

Comments · 1

  1. Otima entrevista, você tem atitude, gostei do título da música é agora vou ouvir, Avenida Paulista Agitada, sou curioso pela avenida Paulista, só estive em São Paulo apenas 1 dia, gosto das histórias da Paulicéia Desvairada…Desejo sucesso, agradeço ao Antônio,meu parceiro, por nos mostrar artistas maravilhosos…

Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001 pelo jornalista, músico e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.